Jehozadak Pereira.com

República dos grampos

Posted on: June 26, 2007


O Jornal da Globo do dia 25 exibiu mais uma vez uma conversa telefônica entre um pistoleiro e o suposto representante de um deputado federal por Minas Gerais tramando a morte de um outro deputado federal. A linguagem chula e vulgar típica do sub-mundo do crime não causou nenhum espanto na opinião pública, mesmo sabendo que o suposto mandante e a quase vítima fazem parte da Igreja do Evangelho Quadrangular em Minas Gerais, que ao que se parece está envolta numa briga intestina entre parte da sua liderança, pelo menos aquela que é composta de políticos.

O incrível é que estes grampos por mais verdadeiros que sejam – e parecem ser reais – tem revelado cada vez mais aquilo que se transformou a política brasileira – uma associação de mafiosos que fariam corar de vergonha os verdadeiros mafiosos italianos e americanos, relegando-os a meros aprendizes de jardim de infância.

Os grampos telefônicos tem revelado a absoluta falta de pudores dos homens que gravitam em torno do poder central, e a cada nova operação da Polícia Federal já se sabe que vem mais sujeira por ai.

Se a nação brasileira assistiu ou ouviu as negociatas feitas pelo empresário Zuleido Veras, dono da Construtora Gautama, do mesmo modo que já havia ouvido empresários e advogados ligados às máquinas de caça-níqueis negociando sentenças no judiciário e corrompendo quem se lhe opunha e não se espantou pela gravidade do assunto. Tampouco se chocou ao ouvir outro dia mesmo um descarado Vavá – o ingênuo – pedindo uns “dois paus” para alguém do outro lado da linha.

O que faria com os “dois paus” o ingênuo e barato Vavá, numa república onde os valores negociados gira em torno dos milhões? Certamente seria para fazer face à alguma despesa doméstica de última hora, ou mesmo para ter alguns trocados nos bolsos para tomar a pinga cotidiana no final da tarde em algum botequim.

Pouco antes da conversa do pistoleiro que mataria o deputado federal Carlos Willian, foi a vez do ex-governador e senador por Brasília Joaquim Roriz ser o pilhado em conversa com um assessor negociando o recebimento de pouco mais de dois milhões de reais.

Sem se abater ou sequer ficar envergonhado, Roriz disse que o dinheiro se referia a um empréstimo de R$ 300 mil destinados a compra de uma bezerra, que certamente deve ter morrido de desgosto de ter sido assim tão exposta à opinião pública sem o menor constrangimento.

O resultado é que a população cada vez mais exposta a sem-vergonhice que acontece todos os dias nos bastidores da política brasileira cada vez mais suja, corrompida e comprometida com tudo o que não presta, principalmente com aquilo que se refere a dinheiro.

Por outro lado não se tem notícias de que a justiça – que é lenta, morosa, lerda, vagarosa e sujeita a todo tipo de expedientes legais e ilegais – tenha condenado pelo menos um destes que tem sido pilhados nos últimos tempos em alguma negociata, e olha que eles são muitos.

Sabe-se que alguns tem milhares de horas de conversas gravadas e seria inimaginável que pudessémos ouvir cada uma delas sem sentir vontade de vomitar no banheiro mais próximo.

Na década de 80 a Itália que sempre esteve às voltas com corrupção de todos os tipos, promoveu um ajuntamento de setores íntegros da sociedade e promoveu a Operação Mãos Limpas, que investigou, prendeu, julgou e aprisionou quase três mil pessoas, entre eles empresários, magistrados, políticos – entre eles quatro ex-primeiros ministros e limpou a área dos corruptos. Tudo porque um dia se saturou de tanta bandalheira e roubalheira. É de se imaginar o dia em que a sociedade brasileira irá seguir os mesmos passos dos cidadãos de bem da Itália e se cansar dos seus homens públicos e promover a sua limpa também.

A se julgar pelos teores das conversas originadas dos grampos telefônicos, que causam cada vez mais asco em quem os ouve, este dia não está longe de acontecer. Que seja logo, pois de grampos estamos cheios…

Advertisements

1 Response to "República dos grampos"

Sou evangélico e sei que essa briga entre os pastores da Ig. do Evangelho Quadrangular, aqui em BH, já é antiga. Se odeiam a ponto de não fazerem questão de esconder.
Têm a Igreja como uma empresa da qual tiram seus enormes lucros e que serve a eles como curral eleitoral. Os membros todos votam neles mesmo pairando dúvidas sobre sua conduta.
Agora, com essa denúncia da P.F., espero que reconheçam que estavam sob o comando de lobos em pele de cordeiro e finalmente os largue falndo sozinhos. Que eles se matem por lá….

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

Estatísticas do blog

  • 173,385 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: