Jehozadak Pereira.com

Pais reféns – parte 2

Posted on: July 5, 2007


Um bebê ao chorar, vai fazê-lo por dor, como já disse, desconforto, fome, e cabe aos pais identificar o que a criança quer. Alguns bebês choram por causa da fralda molhada ou suja, outros por causa de assaduras, e outros ainda porque querem estar no colo. Trabalhei com uma colega, cujo filho chorava dia e noite. Transtornada ela levou o menino ao médico diversas vezes, exames foram feitos e o garoto continuava a chorar. Um dia perguntei a ela se ele chorava na hora que estava comendo. – Não. Foi a resposta dela. – Este menino tem fome, foi o que eu respondi. Minha recomendação foi a de que ela desse a ele alimento sólido, e não é preciso dizer que ele nunca mais chorou daquele modo.

Pais precisam estar atentos para que as necessidades básicas dos seus filhos sejam supridas de acordo com suas fases de crescimento. Uma criança de três meses tem necessidades alimentares compatíveis com sua idade, e assim sucessivamente. Mas nada há mais esperta do que uma criança sadia. Alguns são tão espertos que se transformam em pequenos tiranetes que fazem gato e sapato dos seus pais. Por outro lado há pais que tratam seus filhos de cinco, seis anos como se eles tivessem três meses. Serão sempre eternos bebês que superprotegidos por seus pais, vão fazer destes reféns pela vida toda. Um dos grandes e cruciais problemas de hoje, são os pais que não dão a devida atenção aos seus filhos, e acham que se os disciplinarem incorrerão em erros.

Certa vez eu ouvi uma história interessante de um pastor. Ele foi visitar uma família da sua igreja, e lá chegando o pai todo orgulhoso exibia o novo brinquedo que ele havia comprado para o pequeno filho. Só que o menino estava mais interessado na caixa do que no brinquedo propriamente dito. O pai dispusera de uma pequena fortuna para comprar aquele brinquedo, e o garoto gostava mais da caixa. É um engano pensar que carinho, atenção, educação, disciplina, companheirismo, amizade pode ser suprida com presentes.

Filhos que são criados deste modo invariavelmente são crianças infelizes e serão adultos frustrados.

Pesquisa nos Estados Unidos divulgada em 14 de julho de 2002 pela Agência sobre o Abuso de Drogas e a Saúde Mental, adianta que mais de 13% dos jovens dos Estados Unidos, de idade entre 14 e 17 anos, pensaram em se matar, e apenas 36% deles tiveram assistência psicológica. Foi apontado que três milhões de adolescentes norte-americanos pensaram seriamente em suicídio ou tentaram suicidar-se, revela relatório governamental divulgado em 14/7/2002. O estudo, realizado pela Agência sobre o Abuso de Drogas e a Saúde Mental, adianta que mais de 13% dos jovens dos Estados Unidos, de idade entre 14 e 17 anos, pensaram em se matar, e apenas 36% deles tiveram assistência psicológica.

Um dos motivos? Depressão juvenil. A depressão é a principal causa do suicídio. A notícia adiantou que mais de um terço dos três milhões de adolescentes que admitiram em 2001 a possibilidade de se suicidar tentaram efetivamente se matar. Anos atrás a depressão era um mal que atingia somente adultos, hoje cada vez mais vemos jovens e adolescentes deprimidos por diversos fatores, um deles a da falta de perspectiva que envolva futuro e principalmente família. Os consultórios dos terapeutas nunca estiveram tão cheios de crianças, adolescentes e jovens que, sem o devido lastro familiar tornam-se problemáticos e dependentes de terapias diversas para suportar o pesado fardo que lhes foi imposto invariavelmente por seus pais.

E os rebeldes? Na faculdade onde estudei, havia um jovem muito rico. Seu pai era um milionário e nada lhe faltava. Mas ele andava mal trajado e logo todos sabiam que ele era um dependente de drogas químicas pesadas. Aquela era a quarta vez que ele iniciava uma faculdade e largava logo no primeiro ano. Carros importados eram destruídos em poucos meses, confusões eram resolvidas com pagamentos e havia sempre um advogado de plantão para livrar o rapaz em qualquer situação. E elas eram muitas.

Certa vez, numa segunda feira, depois de muitos meses o Carlos – vou chamá-lo assim, sentou na ilha de edição onde eu junto com um grupo faziamos uma matéria para o telejornal da escola e ele disse que desde sexta-feira havia cheirado cocaína, fumado crack e maconha, e tomado uma série de bebidas alcoólicas. Na madrugada de sábado para domingo ele ligou para falar com seu pai, e o pai dissera que não podia atendê-lo, pois estava dormindo.

Mandara o mordomo dizer isto. Como vingança ele e seus amigos botaram fogo no carro. A policia foi chamada pelos vizinhos e todos foram parar na delegacia mais próxima, e logo estava lá um advogado para resolver a situação. Só que o carro era o predileto do pai, e estava agora destruído, que viera se juntar a uma longa lista de bens destruídos, contabilizando prejuízos vultuosos. O prejuízo moral era irreversível.

Os nossos dias são caracterizados como os dias onde os pais têm pouco tempo para os filhos, por isso há filhos que agridem seus pais de todas formas e meios, nem sempre fisicamente, mas querem punir seus pais pela falta de atenção, pela educação deficiente, pelo descaso, e alguns hão de fracassar e jogar toda a culpa em cima dos seus pais.

Um determinado pai, diretor executivo de uma multinacional estrangeira no Brasil, estava indo para uma reunião com seus subordinados, e recebeu o recado de que seu filho havia ligado e precisava falar com urgência. Como estava atrasado para a reunião, decidiu não retornar a ligação. Mais tarde descobriu que o filho havia caído da bicicleta e se ferido gravemente, precisando da ajuda de vizinhos para ir ao hospital. Chocado, o pai viu o tamanho do erro cometido – havia negligenciado auxílio ao filho, em detrimento dos seus negócios. Como este são muitos os pais que negligenciam seus filhos, tornando-os assuntos secundários, quando deveriam ser prioridade nas suas vidas.

Muitos pais não preparam seus filhos para as batalhas da vida. Certa vez eu ouvia meu amigo pastor Darckson Lira falando a respeito da educação de filhos, e um fato marcou a prédica dele. Um dos seus filhos disse-lhe que iria estudar japonês. Longe de desestimulá-lo, incentivou-o a ser não um bom estudante, mas a ser o melhor estudante, pois segundo ele de bons profissionais o mercado de trabalho está cheio, mas os melhores são muito poucos. Sábio conselho. Mas nem sempre é assim.

Má-criações nunca surgem de uma vez. Vão aparecendo aos poucos. Um dia a pequena criança joga a chupeta e a mãe corre a pegar. Depois ela vai jogar o carrinho ou a boneca, e o pai vai recolher. Contrariada a criança vai chorar, sapatear, ranger os dentes, pois a insatisfação presente na vida dela vai fazer com que ela chore sempre para conseguir o que quer. Logo ela estará fazendo escândalos, pois quando chorou foi atendida, logo para que ela vai obedecer? Transgredir é melhor. Crianças sempre irão querer mais e mais. E não estou tratando de desobediência. Disto falarei noutro artigo.

Conheci a Marisa. Ela era chocolatra – viciada em chocolate. Um dia conversando com ela, que aos 21 anos pesava mais de 120 quilos, enorme e desajeitada, me disse que devorava quilos e quilos diários de chocolate de todos os tipos e marcas. Por que? Eu perguntei a ela. Para agredir sua mãe e seu pai. Filha única, ela viu os pais se engalfinharem por anos seguidos, até que um dia ele foi embora morar com outra mulher.

Logo, ela estava uma temporada na casa do pai, outra na casa da mãe, que já havia se casado novamente. A cada ida para a casa paterna, ela via-o com uma nova namorada. Tempos depois seu pai mudara-se para outro estado e a cada seis meses ela estava num lugar diferente. Seus pais não davam a ela a devida atenção, e magoada descobriu no chocolate uma fuga, que logo se tornou um tormento. Tempos depois seus pais ao verem a gravidade do problema dela resolveram dar a atenção que ela sempre reclamara. Mas agora era tarde. Ela estava irreversivelmente doente da mente e do coração.

Mas há crianças que não partem para atitudes extremas, mas fazem de tudo para tornar a vida dos seus pais um verdadeiro suplício. Certos pais são tão reféns dos seus filhos que a última palavra invariavelmente é deles. Pais falam que sim e os filhos que não. E demonstram isto na frente de todos, humilhando e menosprezando seus pais, que merecidamente passam por tais vexames.

Tenho a certeza de que na sua casa isto não acontece. Não é mesmo?

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

Estatísticas do blog

  • 173,660 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: