Jehozadak Pereira.com

As contradições morais da América

Posted on: March 12, 2008


Jehozadak Pereira

PS Escrevi este artigo há alguns meses, e decidi publicá-lo, depois da renúncia de Eliot Spitzer – governador de New York, cuja vida pública foi toda feita em cima da moralidade, e foi desmascarado depois de uma investigação federal que o envolvia com prostituição de luxo. Um comentário? Ô p#*@ que custou caro…

Definitivamente a América é uma nação repleta de contradições e fatos que surpreendem a cada dia. As programações de televisão são repletas de programas de todos os tipos.

Desde o consagrado e esperado American Idol, seriados variados e reality shows de todos os tipos, desde o sempre mau-humorado Paul Teutul Senior com suas tiradas corrosivas e suas motocicletas maravilhosas, até os que retratam decadentes de Hollywood e do show business, incluindo ai os exibicionistas que manipulam animais selvagens, com preferência para serpentes venenosas e de riscos diversos.

Sem contar a eterna predileção pelos fuxico e a fofoca que cerca a vida das celebridades, hoje muito mais exposta por causa dos papparazis que não dão trégua e sossego. Tudo vira notícia de um momento para outro.

Tem também os de furiosas perseguições perseguições policiais que termina invariavelmente com o motorista preso por oficiais raivosos, ou então fazem o maior escarcéu quando apanham algum bêbado mais afoito. Sem contar os policiais que ficam escondidos a espreita de algum motorista que resolve andar mais rápido que o permitido e se dá mal. Nas ruas da América todos os dias milhares de motoristas são parados, multados e presos por infrações menores no trânsito, que transformam a indústria das multas e penalidades num negócio bilionário a cargo do estado, que educa, mas reprime e penaliza sem a menor consideração.

Mesmo com um estado repressor, os Estados Unidos são um dos lugares do mundo onde mais se praticam fraudes de todos os tipos. Roubo de identidade, fraudes contra instituições bancárias e principalmente seguradoras, operadoras de cartões de crédito, ou de falsas instituições de caridades que arrecadam milhões de dólares, mas não distribui um centavo sequer.

É certo que cada vez que um crime deste tipo é descoberto e se consegue prender os seus autores, eles passam uma boa temporada na cadeia; tempo suficiente para refletir no que fizeram.

É interessante notar que a mesma sociedade que assiste a tudo isto, e que não tolera uma infração qualquer no trânsito ou que vigia a vida dos famosos faça a fama de alguns programas de gosto duvidoso e transformem os seus protagonistas em celebridades.

Tempos atrás Don Imus, um radialista branco que trabalhava na rede CBS. Num ataque de verboragia explicíta resolveu xingar as jogadoras de basquete da Rutgers University de New Jersey. O time que é composto de jogadoras negras que foram ofendidas, pelo radialista que perdeu o emprego e os patrocínios que tinha por vausa disto.

Há algumas semanas foi a vez de Duane “Dog” Chapman, um caçador de recompensas, que é o astro de um programa televisivo. O figurino de “Dog” Chapman, da sua mulher e companhia é digna de nota. A impressão que se tem é a de que tanto Chapman quanto a sua mulher esgotaram todo o estoque de água oxigenada da farmácia mais próxima para usá-la nos cabelos. Ambos são um espetáculo a parte, por causa da soberba, da arrogância e da prepotência que empregam na caça de fugitivos das cortes americanas. Além de se vestirem de forma espalhafatosa e única.

“Dog” Chapman derrapou na gramática ao tecer comentários racistas sobre a namorada negra do seu filho Tucker, numa gravação telefônica que foi divulgada. Mesmo pedindo desculpas e dizendo que não é racista ou preconceituoso, o seu programa deixou de ser veiculado pelo canal A&E que cancelou a série toda. A exemplo do que já havia acontecido com Don Imus, patrocinadores cancelaram os seus contratos com “Dog” Chapman, principalmante para não perderem consumidores dos seus produtos, e nem para ter a sua imagem ligada a racistas e preconceituosos.

Perdulária, permissiva, contraditória e conservadora, esta é a melhor definição que se pode ter da América, que aplaude ao mesmo tempo em que condena e deixa de bancar gente do calibre de Imus e Chapman.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

Estatísticas do blog

  • 173,385 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: