Jehozadak Pereira.com

Aborto nos EUA. Legal, mas moral?

Posted on: October 10, 2010


Jehozadak Pereira

Os Estados Unidos são a pátria dos direitos civis, e a sua constituição é uma das mais suscintas e práticas do mundo. Nela tudo é permitido e ninguém deve ser impedido de fazer o que queira, desde que não atinja o direito do próximo. Diz-se que o americano tem uma enorme facilidade de transformar divergências em demandas. Por direito civil entenda-se abortar.

A questão sempre foi e é espinhosa, e desde que foi encampada pelo movimento feminista que defende o direito de a mulher abortar, enquanto que os oponentes dizem que o aborto põe fim a uma vida, e que o aborto é uma forma de matar um ser humano. Mas, alguns estados americanos deixam para cada uma o direito de optar pelo aborto ou não.

A discussão vem de décadas passadas e está longe de um final que contente todo mundo – prós e contras. Se levarmos em conta que a sociedade americana é um tanto quanto permissiva no trato das questões sexuais, o aborto nada mais é do que o reflexo desta liberalidade. A mulher americana via de regra, é no mundo todo quem mais cedo se inicia sexualmente, e nem sempre com os devidos cuidados e a devida orientação.

O resultado disto é qua a cada ano um milhão de adolescentes americanas engravidam, gerando um custo de US$ 25 bilhões em programas médicos-hospitalares e de alimentação que são bancados integralmente pelo governo. São adolescentes que desprezam qualquer método de prevenção – preservativos e meios anticoncepcionais – e que estão sujeitas a doenças sexualmente transmissíveis.

História do aborto nos EUA
Em 1973, a texana Norma McCorvey que ficou conhecida como Jane Roe, recorreu a Suprema Corte pelo direito de abortar. Até então, o aborto era considerado crime nos Estados Unidos, e Roe que era solteira, pobre, drogada e maltratada não sabia direito quem era o pai do seu filho. Ironicamente, embora tenha ganhado o direito de abortar, Roe não chegou a abortar, e depois de se converter ao catolicismo tornou-se uma ferrenha opositora do aborto, e hoje luta para que o aborto seja criminalizado novamente.

Jane Roe, recorreu a Suprema Corte, porque o Texas punia com até cinco anos de prisão quem fizesse o aborto, e com a demora da decisão a Suprema Corte estendeu o direito a todos os estados americanos.

Prós e contras
Desde então a discussão interminável entre prós e contras domina a sociedade americana. Os argumentos são inúmeros e vão desde afirmar que a mulher tem o direito de optar por interromper uma gravidez indesejada até tirar dela a decisão. O tema tem diversos aspectos – éticos, morais, médicos, científicos, jurídicos, religiosos e políticos – aqui como razões de estado, como controle de natalidade. Há quem veja nesta razão uma imposição dos países ricos que querem impor aos países pobres uma política de controle da população.

A decisão tomada em 1973 pela Suprema Corte ainda repercute com força pois provoca reações na sociedade, principalmente entre os religiosos americanos, que movem mundos e fundos a favor da probição definitive. A discussão é espinhosa e promete durar por muitos anos ainda, até que seja respondida a principal questão – o aborto é legal, mas é moral?

 

Advertisements

1 Response to "Aborto nos EUA. Legal, mas moral?"

Prezado Jehozadak,

Respeito suas opinioes embora sejamos adversarios na politica brasileira. Voce demonstra nojo por algumas posicionamentos das liderancas petistas. Nos que apoiamos a candidatura petista atual tambem nao concordamos com tudo que se tem feito em nome do partido. Como ja lhe enviei, repito aqui o endereco da pagina em meu blog. http://val51mabar.wordpress.com/2010/10/16/o-direcionamento-religioso-errado-nas-questoes-eleitorais-brasileiras/. Voce vera que na questao do aborto, por exemplo, nao fico em cima do muro. Sou definitivamente contra e mostro o porque sou contra.

O uso dessa questao na atual eleicao foi apenas um oportunismo dos que nao conhecem o problema ja que o candidato Serra eh tao a favor do aborto quanto a candidata Dilma. E isso eu provo com o meu artigo. Neste caso, qualquer um dos dois que for eleito sera meu adversario nesta questao. Eu nao contemporizo mas tambem nao demonizo ninguem. Ninguem eh perfeito. Como bom mineiro eu confio desconfiando.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

Estatísticas do blog

  • 173,812 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: