Jehozadak Pereira.com

Posts Tagged ‘Aborto

Jehozadak Pereira

A eleição presidencial nos EUA é por vezes decidida num detalhe. Este detalhe apontou em 1999 George W. Bush, obteve menos votos que Al Gore e ganhou uma eleição com um sistema intricado e cuja maioria no voto popular não dá ao candidato a vitória.

Nas eleições presidenciais em 2000, George W. Bush teve um número inferior de votos ao do candidato democrata, Al Gore – 48,38% contra 47,87% de Bush. Gore, então vice-presidente de Bill Clinton, obteve expressiva votação nas maiores cidades americanas, tradicionais redutos democratas, contudo, o republicano Bush levou a maioria dos votos no interior do país e foi vencedor num número maior de Estados, e com isto conseguiu mais delegados no Colégio Eleitoral 271 x 266, determinantes para a sua vitória.

Em setembro de 2001, meses depois da sua posse, Bush enfrentou a pior crise da história política e social dos Estados Unidos nos últimos 80 anos – o atentado contra o World Trade Center, e a recessão que se abateu sobre os Estados Unidos e o mundo nos meses seguintes.

Embora não tivesse culpa ou responsabilidade alguma sobre os atentados, Bush viu seu território ser invadido e vidas serem ceifadas sob o seu olhar e, jamais o país foi o mesmo depois disto.

Cerca de 13% da população americana é composta de idosos com mais de 65 anos de idade, que não tem posição política definida e cuja maior entidade – Associação Americana de Pessoas Aposentadas, em inglês AARP não faz doações partidárias, mas é um dos segmentos que mais faz pressão junto aos governantes. A AARP alinha-se tradicionalmente com os democratas.

Coalizões cristãs e conservadoras se opõe ferrenhamente ao aborto e o casamento entre os homossexuais. Mitt Romney, pessoalmente, se opõe ao casamento homossexual enquanto que Obama apóia as uniões que darão aos gays acesso aos mesmos benefícios oferecidos aos casais heterossexuais.

Nesta eleição a discussão é sobre o aborto e o casamento homossexual que causa arrepios nos mais emperdenidos republicanos. Esta eleição é singular pois mostra a força cada vez mais crescente e influente do Tea Party que conseguiu impor Paul Ryan, um congressista conservador como o vice na chapa de Mitt Romney.

Um dos temas preferidos da campanha é o crescente déficit orçamentário americano. Nesta eleição o que está em jogo vai além da política econômica que está em recessão, e tem sido o principal mote dos republicanos que não se cansam de atacar Obama por causa disto.

Nas respectivas campanhas não se toca no tema imigração – que é o nosso foco de interesse, a não ser de modo tímido e acanhado, pois tratar deste assunto não dá nenhum voto, ao contrário, tira muitos votos de qualquer candidato.

Há também a questão proposta por Mitt Romney da auto-deportação, embora diga-se por aí que tudo não passa de boato, defendido às unhas e dentes, mas que boato ou não, a proposta, ou sequer o pensamento é de uma desumanidade tremenda.

É óbvio que Obama não conseguiu resolver todos os problemas propostos e também não é o candidato dos sonhos de muita gente, mas mesmo assim é o preferido da maioria – pelo menos é o que indicam as pesquisas de opinião.

Portanto, o que estará em jogo no dia 6 de novembro é o passo adiante da América em direção à estabilidade ou do atraso, do ranço, do baixo astral, das propostas espúrias e indecentes, principalmente aquela que diz respeito ao trabalhador indocumentado. Há alguns brasileiros que pensam que o que está em jogo é somente a questão delicada do aborto e do casamento gay, o que é admissível, pois nossa gente é religiosa ao extremo e portanto, faz sentido sob este ponto de vista.

Porém, deve-se atentar para os reais problemas que esta nação tem, entre eles milhões de imigrantes indocumentados que vivem nas sombras da intolerância e da ignorância. Quem vai ganhar? Obama ou Romney? Isto só vamos saber na noite de 6 de novembro…

 

 

Jehozadak Pereira

Costuma-se dizer que política, futebol e religião não se discute, pelo menos não necessariamente nesta ordem. Mas uma coisa ressalta aos olhos para alguns comportamentos na comunidade brasileira. É incrível mas há brasileiros que têm saudades do ex-presidente George W. Bush e dos republicanos. Também têm lá os seus pendores por Mitt Romney e por Paul Ryan, tido como um dos próceres do Tea Party.

Porém alguns brasileiros, morrem de saudades do republicano Bush, talvez um dos piores presidentes que os Estados Unidos já teve. Claro que cada qual pode ser democrata, republicano, libertário ou lá o que quiser ser. Convém lembrar que Bush e seus pares apertaram e oprimiram como nunca o trabalhador imigrante, principalmente o indocumentado e quantos milhares de sonhos e esperanças foram interrompidas nos dois períodos de governança de Bush sem que nada de prático fosse feito para minorar qualquer sofrimento ou frustração.

Ao pé de toda a saudade destes brasileiros por Bush & Cia, está a insatisfação deles – e do povo americano com o Presidente Barack Obama que certamente não tem feito o governo dos sonhos. Também Obama tem dado prosseguimento à política de Bush de prender e deportar, aliás, como nunca.

Mas como alguém que é imigrante, que certamente um dia sofreu na pele as agruras de ser um indocumentado pode sentir saudades de quem oprimiu o seu semelhante? Talvez, estes tenham se esquecido quem sabe porque são cidadãos ou possuem os seus documentos legais e que fariam melhor se resolvessem usar os seus votos para pressionar os políticos a legislar e produzir leis que beneficiassem milhões de imigrantes indocumentados, mas no entanto preferem sentir saudades de Bush.

Convém lembrar que os que sentem saudades de George W. Bush também lamentaram que McCain não foi eleito pois teriam o prazer de ter Sarah Palin como vice-presidente. Sonham eles que nesta eleição o candidato a presidente seja contra o aborto, contra o casamento gay, etc, etc. Sonham com isto o tempo todo, talvez ignorando que se o candidato republicano for eleito trará de volta toda a política cretina e absurda dos tempos de Bush. Talvez esqueçam que o Brasil é um dos países onde mais se pratica o aborto no mundo, e olha que lá o aborto não é legalizado como em muitos lugares aqui nos Estados Unidos, mas como os republicanos são contra o aborto, deve-se – na cabeça deles votar nele.

Há também a questão do casamento gay, que tal como o aborto é opção pessoal de cada qual que faz com a sua vida o que bem entender e quiser.

Votar em alguém só porque o credo ou o viés religioso bate em alguns aspectos com o de certos políticos é um absurdo do mesmo modo que deixar de votar neles só por isso é uma aberração. O que é de se espantar mais ainda é ver tantos brasileiros se filiando ao Partido Republicano e se aliando ao Tea Party. Em Massachusetts há muitos brasileiros carregando placas e fazendo campanha para o senador Scott Brown, justo ele que é um dos mais ferrenhos opositores do Dream Act. Claro e é óbvio que cada um pode e tem o direito de fazer a sua opção política do modo que lhe convier, mas devemos tê-los por adversários, opositores, inimigos ou anti-imigrantes?

Por que então tratar deste assunto um artigo sobre opinião? Porque o que causa estranheza é a certa obtusidade e incompreensão com determinadas coisas que nos cercam, mas que podem influenciar definitivamente as vidas de milhões de pessoas. Como já foi dito aqui, a opção política e de religião cada um tem a sua, mas deliberadamente apoiar quem persegue faz de tudo para atrapalhar e atrasar a vida dos seus semelhantes que não têm documentos.

Como se já não bastasse a nossa crônica falta de liderança, e da preocupação de alguns com a eleição comunitária, agora temos que conviver com quem têm saudades de Bush. Lamentável mais é verdade, afinal cada um tem saudade daquilo que lhe apetece…

Jehozadak Pereira

Todos estes textos têm, contém ou falam sobre o aborto e foram escritos ao longo dos anos. São entre outros textos, alguns dos mais lidos do blog em todos os tempos.

Aborto nos EUA. legal, mas moral?

Aborto

Filhos, por que tê-los

Entrevistas: Jaime Kemp

Jehozadak Pereira

Há pouco o Supremo Tribunal Federal no Brasil considerou legal o aborto de anencéfalos, debaixo de muita gritaria e estresse. Escrevi este texto em 2009 e ele é um dos mais acessados e lidos no blog. Pessoalmente e nas minhas convicções pessoais sou contra o aborto, porém considero o direito de cada mulher de fazê-lo. Se quiser deixar a sua opinião, use a área de comentários. 

A velha questão do direito ou não de abortar volta a tona com força e com manifestações pró e contra a prática. Até que ponto uma mulher tem o direito de abortar sem que o estado interfira? Deve-se necessariamente excluir da discussão o aborto com finalidade comprovadamente médica – risco para a gestante, malformações graves no feto, os que tem origem no abuso sexual e estupro. A partir daí a questão passa a ser meramente moral e ética.

No Brasil por exemplo, nunca se fez tanto aborto, mesmo sendo a prática proibida e criminalizada por lei federal. Lei que é burlada sistematicamente sem que nenhuma atitude seja tomada. Estima-se que no Brasil aconteça dois abortos clandestinos por minuto, o que totaliza 1,4 milhão por ano. O aborto é considerado a quarta causa de morte materna no Brasil, principalmente na população de mulheres de baixa renda.

Já na América quanto mais se discute, menos se chega a uma conclusão satisfatória ou coerente, e nos estados em que o aborto é legal, há filas de mulheres que querem deliberadamente abortar, mesmo com toda a pressão de religiosos e de entidades contrárias ao aborto.

Os abortos com recomendação clínica ou por motivos morais, são ínfimos diante dos que são feitos por outras razões. Razões que invariavelmente envolvem descuido por parte de mulheres e homens, que não usam nenhum método contraceptivo.

As estatíticas são assustadoras. Nos Estados Unidos, são feitos cerca de quatro mil abortos por dia, e a exemplo do que acontece no Brasil, a maioria por causa de gravidez indesejada, principalmente pela mulher solteira que por motivos sociais opta por não ter o filho.

Os problemas oriundos são diversos e envolvem culpa, traumas diversos e as vezes sequelas fisicas irreversíveis. Com isto se constata que se a mulher às vezes não quer e não está preparada para a gravidez decorrente de um relacionamento qualquer, menos ainda está para aguentar as consequências psicológicas de ter feito o aborto.

Mas como fica o direito da mulher de optar ou não por um aborto deliberado? É claro, que ela tem sim o direito de decidir se quer ou não que o feto que carrega nasça ou não. Mas e o direito a vida?

Bem, o direito a vida é inquestionável em todos os aspectos, principalmente para quem não pediu para ser concebido e que é fruto da irresponsabilidade de pessoas que teoricamente deveriam saber o que fazem.

Permitir o aborto é uma acinte à vida, proibi-lo é violar o direito que em tese uma mãe teria, e ao mesmo tempo fomentar – principalmente no Brasil e em outros países que proíbem o aborto – uma indústria macabra e cada vez mais próspera, onde fetos são extirpados, as vezes com violência e literalmente jogados no lixo, banalizando a vida humana. Valeria mais se as autoridades discutissem a questão no campo da moral e da ética, pois esta parece ser a única forma e modo de constranger quem deliberadamente quer optar pela violência do aborto.

Ressalte-se que cada ser humano tem o direito de decidir o que quer e o que é melhor para a sua vida, principalmente a mulher que por um descuido qualquer engravida, e pratica o aborto, por isso deve saber sim, que tem o direito de fazê-lo, mas fica a pergunta – deve mesmo fazer?

Todos os direitos reservados ao autor – março/2009

Jehozadak Pereira

Há alguns anos fui editor da Refletir Magazine em Boston e tive o privilégio de entrevistar algumas personalidades e dentre elas tenho publicado o resultados destas entrevistas. Uma destas personalidades é Jaime Kemp, considerado a maior autoridade em aconselhamento conjugal e familiar na igreja evangélica brasileira. Divertido, espontâneo, sério e contundente Jaime Kemp não deixou nenhuma pergunta sem resposta. Confira a sua entrevista, que como disse foi publicada originariamente no http://www.refletir.com.

 

Jaime Kemp é um apaixonado pelo Brasil desde os dez anos de idade. Um dia na escola – na California – a professora pediu uma redação sobre países do mundo, e para ele caiu o Brasil, começou ali uma relação que já dura 40 anos. Autor de mais de cinquenta e quatro livros – todos eles sobre família, que é a sua especialidade, o que o torna a maior autoridade sobre o assunto no Brasil. O mais vendido dos seus livros é Eu Amo Você. De passagem por Massachusetts, onde veio ministrar um seminário para casais, concedeu entrevista exclusiva a Paulo DeOliveira e Jehozadak Pereira, publisher e editor de Refletir Magazine.

Quais são as maiores problemas que a família enfrenta hoje, especialmente a brasileira?

Penso que é dinheiro. A situação economica, pois muitos pais não conseguem sustentar suas famílias e dar aos seus filhos boas escolas; também não conseguem dar comida, e por isso a mulher tem que trabalhar fora, deixando as crianças aos cuidados de uma babá ou com a empregada, ou numa creche. Com isto, os filhos dos brasileiros que trabalham em tempo integral, são criados por estranhos. Há também o problema de infidelidade, que é muito sério. Antigamente, quando eu cheguei no Brasil, havia um número bem menor de mulheres que trabalhavam fora, com isto as mulheres passaram a enfrentar as mesmas tentações que os homens enfrentam nos seus empregos, viagens. A infidelidade feminina cresceu muito nos últimos 20, 30 anos, o que se tornou um dos problemas. Há ainda o problema da comunicação. Os nossos casais não estão sendo preparados e não tem uma boa comunicação a começar nos seus namoros, e acham que o casamento vai resolver todos os seus problemas, quando na realidade, vai piorar. Os nossos casais não desenvolvem os princípios de comunicação, que é saber ouvir, saber falar, responder corretamente etc. As pessoas se casam e não tem nenhuma idéia de como resolver os conflitos. Na maioria dos casos não fizeram o curso pré-nupcial nem por uma hora sequer. Enquanto eles fazem planos para lua de mel, roupa, festa, flores, não gastam tempo nenhum para aprender a viver debaixo do mesmo teto. Duas pessoas – um pecador e uma pecadora – debaixo do mesmo teto, pode provocar uma guerra – risos. Atrás disto, existe algumas filosofias que estão bombardeando a família. Uma delas é o humanismo que diz que Deus não está mais no trono, que é ocupado pelo homem, que diz ainda que se a mulher não o satisfaz ele a troca por outra mulher, porque ele se julga importante. Tem o materialismo, que faz com que o homem só pende e corra atrás do dinheiro, e valores que acabam se tornando o foco principal na vida do casal. Por causa disto, valores como relacionamento dentro do lar, harmonia, tempo gasto com filhos, acabam relegados a um segundo plano.

O que mais?

Tem o relativismo. Outro dia eu ministrava um seminário para jovens numa cidade no interior – o que me assustou; eu falava sobre sexo pré-nupcial e um casal chegou para mim e perguntou com que direito eu falava sobre isto. Diziam que podiam transar a vontade antes de casar. Diziam que era a minha opinião, ao que eu retruquei que a opinião é a de Deus, o criador e o arquiteto do lar. Este relativismo, que é a sua opinião contra a minha, que diz que todos os caminhos levam a Deus, o que temos que combater. Estas filosofias – edonismo, materialismo, humanismo, estão mudando a cabeça do povo brasileiro.

Um fenômeno tem acontecido entre os jovens que é a depressão. O senhor crê que o fator familiar é a causa disto?

Vários artigos das revistas Time e Newsweek constataram o problema seríssimo de crianças, jovens e adolescentes profundamente deprimidos ao ponto de uma das razões de haver muitos suicídios ser a depressão. Isto vem por que? Famílias desustruturadas, pais muito rigídos que exigem bons desempenhos acadêmicos dos seus filhos; sentem que não são amados, e que tem que agradar seus pais.

O senhor crê que a separação dos pais pode levar os filhos a depressão?

Sim, minha esposa escreveu um livro sobre depressão, porque ela passou por um processo de depressão; a igreja não aceita que uma pessoa convertida possa ter depressão. A depressão é uma doença como qualquer outra.

O senhor crê que a igreja brasileira não está preparada para lidar com o assunto?

Sim. É preciso tomar cuidado, pois não quero criticar, mas há uma cultura do triunfalismo e de vitória crescente. Tudo é vitória. As vezes as nossas lideranças não estão sendo muito honestas, não estão abrindo os seus corações para falar das suas próprias derrotas. Para eles está todo mundo vencendo e em vitória, o que faz com que muitos escondam os seus problemas. Além de ter também a questão da prosperidade.

A questão do homossexualismo nas novelas e na mídia. Até que ponto influenciam a família?

Nós estamos assustado com o crescimento e a aceitação do homossexualismo no Brasil. Está se tornando cada vez mais uma opção e alternativa de vida. Por três anos seguidos, quando a Marta Suplicy era prefeita de São Paulo, ela apoiava as marchas e as paradas de gays e lébicas, e isto vai impactando a mente e o coração do povo. O que mais me preocupa nisto tudo é a redefinição da família. Tradicionalmente, inclusive os católicos, acreditamos e aceitamos que a família é composta de marido e pai, esposa e mãe, e os filhos. Hoje não. Redefinindo a família seria ter dois homossexuais que através de uma adoção vão ter filhos, ou ainda duas lésbicas que vão fazer uma inseminação artificial para ter filhos; não tem pai, não precisa ter pai etc. Esta redefinição da família é uma alternativa mais nova no Brasil. Quando a Marta Suplicy era deputada federal, fez uma proposta indecente, que permitia o casamento de homossexuais, proposta que não passou, por causa de uma igreja em Goiânia que montou um manifesto com milhares de assinaturas que foram levadas para Brasília e criou um alvoroço que não permitiu que a lei fosse aprovada. Eu diria que o homossexualismo está cada vez mais sendo aceito, e o problema maior é sem dúvida a redifinição da família. Por outro lado, a igreja brasileira não está preparada a lidar com o problema. A grande maioria não sabe aconselhar o homossexual, mesmo que ele queria se livrar, não há orientação sadia, e há poucos lugares onde um rapaz ou uma moça poderia receber terapia espiritual, emocional para abandonar o homossexualismo. Eu creio que aos poucos a igreja vai ter que lidar com isto. Não vai aceitar, porque isto nunca vai acontecer, de a igreja aceitar o homossexualismo como alternativa de vida.

O aborto é um problema no Brasil hoje?

Jaime Kemp Infelizmente a igreja brasileira está dormindo com relação ao assunto. Eu creio ter o único livro cristão escrito sobre o aborto. O Jornal do Brasil, constatou através de uma pesquisa que no minímo cinco milhões de crianças estão sendo abortadas por ano no Brasil. É um problema imenso. Nós não cremos que o embrião no útero é uma criança, e por isso é que se aborta tanto. O aborto é um ato fisíco e um ato emocional, que a mulher nunca consegue superar totalmente na sua vida, pois as implicações psicológicas são imensas. A igreja brasileira sabe e não toca no assunto, eu nunca vi um brasileiro pregar sobre o assunto.

A corrupção influencia na família?

A corrupção sempre foi um problema no Brasil. Penso que se nossa liderança fosse disciplinada e ensinada nos caminhos do Senhor desde pequenos não teríamos o quadro que vemos hoje. O pai é um modelo positivo ou negativo, então o filho ao crescer observa uma corrupção para lá e para cá, e vai aprendendo a ser corrupto dentro da sua própria casa. É claro que se ele entrar na política sem o princípio de honestidade e integridade haverá muitas oportunidades de roubar muito dinheiro. Pai e mãe precisam ser gente integra e honesta nas coisas pequenas também, a começar dentro de casa.

Jehozadak Pereira

Os Estados Unidos são a pátria dos direitos civis, e a sua constituição é uma das mais suscintas e práticas do mundo. Nela tudo é permitido e ninguém deve ser impedido de fazer o que queira, desde que não atinja o direito do próximo. Diz-se que o americano tem uma enorme facilidade de transformar divergências em demandas. Por direito civil entenda-se abortar.

A questão sempre foi e é espinhosa, e desde que foi encampada pelo movimento feminista que defende o direito de a mulher abortar, enquanto que os oponentes dizem que o aborto põe fim a uma vida, e que o aborto é uma forma de matar um ser humano. Mas, alguns estados americanos deixam para cada uma o direito de optar pelo aborto ou não.

A discussão vem de décadas passadas e está longe de um final que contente todo mundo – prós e contras. Se levarmos em conta que a sociedade americana é um tanto quanto permissiva no trato das questões sexuais, o aborto nada mais é do que o reflexo desta liberalidade. A mulher americana via de regra, é no mundo todo quem mais cedo se inicia sexualmente, e nem sempre com os devidos cuidados e a devida orientação.

O resultado disto é qua a cada ano um milhão de adolescentes americanas engravidam, gerando um custo de US$ 25 bilhões em programas médicos-hospitalares e de alimentação que são bancados integralmente pelo governo. São adolescentes que desprezam qualquer método de prevenção – preservativos e meios anticoncepcionais – e que estão sujeitas a doenças sexualmente transmissíveis.

História do aborto nos EUA
Em 1973, a texana Norma McCorvey que ficou conhecida como Jane Roe, recorreu a Suprema Corte pelo direito de abortar. Até então, o aborto era considerado crime nos Estados Unidos, e Roe que era solteira, pobre, drogada e maltratada não sabia direito quem era o pai do seu filho. Ironicamente, embora tenha ganhado o direito de abortar, Roe não chegou a abortar, e depois de se converter ao catolicismo tornou-se uma ferrenha opositora do aborto, e hoje luta para que o aborto seja criminalizado novamente.

Jane Roe, recorreu a Suprema Corte, porque o Texas punia com até cinco anos de prisão quem fizesse o aborto, e com a demora da decisão a Suprema Corte estendeu o direito a todos os estados americanos.

Prós e contras
Desde então a discussão interminável entre prós e contras domina a sociedade americana. Os argumentos são inúmeros e vão desde afirmar que a mulher tem o direito de optar por interromper uma gravidez indesejada até tirar dela a decisão. O tema tem diversos aspectos – éticos, morais, médicos, científicos, jurídicos, religiosos e políticos – aqui como razões de estado, como controle de natalidade. Há quem veja nesta razão uma imposição dos países ricos que querem impor aos países pobres uma política de controle da população.

A decisão tomada em 1973 pela Suprema Corte ainda repercute com força pois provoca reações na sociedade, principalmente entre os religiosos americanos, que movem mundos e fundos a favor da probição definitive. A discussão é espinhosa e promete durar por muitos anos ainda, até que seja respondida a principal questão – o aborto é legal, mas é moral?

 

Jehozadak Pereira

A velha questão do direito ou não de abortar volta a tona com força e com manifestações pró e contra a prática. Até que ponto uma mulher tem o direito de abortar sem que o estado interfira? Deve-se necessariamente excluir da discussão o aborto com finalidade comprovadamente médica – risco para a gestante, malformações graves no feto, os que tem origem no abuso sexual e estupro. A partir daí a questão passa a ser meramente moral e ética.

No Brasil por exemplo, nunca se fez tanto aborto, mesmo sendo a prática proibida e criminalizada por lei federal. Lei que é burlada sistematicamente sem que nenhuma atitude seja tomada. Estima-se que no Brasil aconteça dois abortos clandestinos por minuto, o que totaliza 1,4 milhão por ano. O aborto é considerado a quarta causa de morte materna no Brasil, principalmente na população de mulheres de baixa renda.

Já na América quanto mais se discute, menos se chega a uma conclusão satisfatória ou coerente, e nos estados em que o aborto é legal, há filas de mulheres que querem deliberadamente abortar, mesmo com toda a pressão de religiosos e de entidades contrárias ao aborto.

Os abortos com recomendação clínica ou por motivos morais, são ínfimos diante dos que são feitos por outras razões. Razões que invariavelmente envolvem descuido por parte de mulheres e homens, que não usam nenhum método contraceptivo.

As estatíticas são assustadoras. Nos Estados Unidos, são feitos cerca de quatro mil abortos por dia, e a exemplo do que acontece no Brasil, a maioria por causa de gravidez indesejada, principalmente pela mulher solteira que por motivos sociais opta por não ter o filho.

Os problemas oriundos são diversos e envolvem culpa, traumas diversos e as vezes sequelas fisicas irreversíveis. Com isto se constata que se a mulher às vezes não quer e não está preparada para a gravidez decorrente de um relacionamento qualquer, menos ainda está para aguentar as consequências psicológicas de ter feito o aborto.

Mas como fica o direito da mulher de optar ou não por um aborto deliberado? É claro, que ela tem sim o direito de decidir se quer ou não que o feto que carrega nasça ou não. Mas e o direito a vida?

Bem, o direito a vida é inquestionável em todos os aspectos, principalmente para quem não pediu para ser concebido e que é fruto da irresponsabilidade de pessoas que teoricamente deveriam saber o que fazem.

Permitir o aborto é uma acinte à vida, proibi-lo é violar o direito que em tese uma mãe teria, e ao mesmo tempo fomentar – principalmente no Brasil e em outros países que proíbem o aborto – uma indústria macabra e cada vez mais próspera, onde fetos são extirpados, as vezes com violência e literalmente jogados no lixo, banalizando a vida humana. Valeria mais se as autoridades discutissem a questão no campo da moral e da ética, pois esta parece ser a única forma e modo de constranger quem deliberadamente quer optar pela violência do aborto.

Ressalte-se que cada ser humano tem o direito de decidir o que quer e o que é melhor para a sua vida, principalmente a mulher que por um descuido qualquer engravida, e pratica o aborto, por isso deve saber sim, que tem o direito de fazê-lo, mas fica a pergunta – deve mesmo fazer?

Todos os direitos reservados ao autor – março/2009

 

Tags:

Categories

Estatísticas do blog

  • 173,217 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: