Jehozadak Pereira.com

Posts Tagged ‘Filhos

Jehozadak Pereira

Todos estes textos têm, contém ou falam sobre o aborto e foram escritos ao longo dos anos. São entre outros textos, alguns dos mais lidos do blog em todos os tempos.

Aborto nos EUA. legal, mas moral?

Aborto

Filhos, por que tê-los

Entrevistas: Jaime Kemp

Jehozadak Pereira

Escrevi estes artigos e textos sobre criação e educação de filhos. Claro e óbvio que é um ponto de vista pessoal, mas tem ajudado muitas pessoas ao longo dos anos. Espero que gostem. Para ler os textos clique nos respectivos títulos e novas janelas vão abrir com o texto

Filhos. Por que tê-los?

Criando filhos da maneira certa

Pais ocupados

Pais folgados, filhos estressados

Adolescentes em crise

Filhos violentos

911 – Os filhos da América

Filhos. Amigos ou inimigos?

Violência e abuso contra crianças

Pais reféns – parte 1

Pais reféns – parte 2

Jehozadak Pereira

–       Cala a boca que eu te quebro a cara!

Com o dedo apontado para a cara da mãe, foi que Marcelo, 28 anos, 1,82 metros e físico talhado com muitas horas semanais na academia, gritou com Maria, sua mãe. A reação de Maria, 1,65 metros, 52 anos e físico franzino, foi dar um safanão no dedo de Marcelo, que causou uma grave luxação. A seguir ela deu um soco no olho, outro no nariz e para finalizar deu um chute nas partes genitais de Marcelo. Com a gritaria de Marcelo, Carlos, o irmão mais velho, tirou de cima dele Maria que tinha nas mãos uma cadeira para continuar batendo em Marcelo.

Com o dedo fraturado; o olho inchado e o nariz quebrado; Marcelo jamais poderia esperar uma reação tão violenta e desmedida por parte de Maria, mesmo porque tem o dobro da força física da mulher. Levado ao hospital, o médico perguntou de quantos homens Marcelo havia apanhado. Surpreendeu-se ao saber que havia sido uma mulher franzina que fizera aquele estrago todo na mão e no rosto de Marcelo.

Maria e Marcelo são mãe e filho. A história é real e os nomes foram omitidos para a preservação da privacidade.

Nem sempre é assim, e casos como o de Maria e Marcelo não fazem parte das estatísticas oficiais de violência doméstica, que geralmente tabula e computa agressões e violência entre cônjuges e pais contra filhos. Uma quantidade enorme de pais apanha de seus filhos ao menor pretexto ou motivo.

Com medo de que a violência possa aumentar se os denunciarem, pais se calam e continuam apanhando e sendo agredidos impunemente. Afora a vergonha de ter de admitir para vizinhos, parentes e amigos que são agredidos fisicamente. O que leva um filho a se tornar agressor dos seus pais? Os motivos podem ser fúteis ou banais, e após a primeira vez que baterem, se não forem coibidos, baterão sempre e cada vez mais.

No caso de Marcelo, que sempre teve um relacionamento cordial com sua mãe, foi a recusa dela em pagar-lhe uma nova faculdade. Prodígio com números; Marcelo começou o estudar Matemática, parando no segundo ano, quando iniciou Biologia, que também abandonou no começo do quarto ano. Agora queria iniciar o curso de Economia, e diante da recusa da mãe em financiar-lhe a nova empreitada partiu para cima dela e se deu mal.

Longe de ser relapso ou um mau filho, sempre trabalhou para ajudar a mãe e o irmão, depois que o pai os abandonou atraído pelos encantos de uma mulher quinze anos mais nova que a mãe. Meses antes da discussão, Maria recebera uma grande soma em dinheiro proveniente de uma herança familiar e menos pelo dinheiro e sim pela indecisão de Marcelo, é que se recusava a financiar uma nova aventura escolar do filho.

Depois de muito discutirem e se estressarem mutuamente, Marcelo partiu para a agressão e teve o troco à altura.

Mas nem sempre é assim.

Tempos atrás escrevi o artigo Os caminhos da juventude, onde relato algumas práticas dos nossos jovens. Um dos assuntos abordados foi o RPG. Como sempre, cada vez que contrario alguém, recebi um caminhão de mensagens desaforadas e que revelam bem a quantas andam determinadas vidas. No entanto, um e-mail chamou a minha atenção porque a mãe que me escreveu vive um drama dentro de casa. Com a autorização dela publico o e-mail, sem contudo identificá-la por motivos óbvios.

“From:

Subject: Meu drama

Date: November 10, 2005 8:44:23 PM EST

To: contato@jehozadakpereira.com

Reply-To:

Nome: Antonia B.

E-mail:

Assunto: Desabafo

Telefone:

Mensagem: Jehozadak, meu nome é Antonia e moro numa capital do sul do país, e vivo um drama dentro de casa. Primeiro quero dizer que li sua matéria sobre o rpg, pois o Fabrício, meu filho de 18 anos estava lendo no computador e falava no telefone muito bravo contra voce. Ao ler o seu artigo pude me identificar com uma situação que vivencio dentro da minha casa há pelo menos 5 anos. O Fabrício, começou a jogar rpg aos 13 anos e desde então eu venho perdendo ele a cada dia. Meu marido é diretor de uma multinacional e não nos falta nada, e eu sou professora universitária. Desde que o Fabrício resolveu trocar as companhias do colégio por outras de outra turma ele ficou cada vez mais agressivo e outro dia chegou a me agredir fisicamente, depois de me xingar durante todos estes anos. O pai não pode com ele e também ele agride-o por causa do jogo e por causa de música que ele ouve numa altura incrível.

Desde que ele nos xinga, já estamos acostumados, mas no dia que ele agrediu o pai por causa dos amigos dele que jogam rpg, ele disse pro pai dele que se precisar matar e morrer por este jogo ele mata e morre. Minha cunhada é psicologa, e nos orientou a buscar ajuda de um terapeuta.

Quando falamos que iamos levá-lo numa terapeuta, ele ficou furioso e disse que não estava louco, e me agrediu com um fúria que jamais poderia imaginar. No hospital, eu disse que havia sido assaltada, pois me faltou coragem para dizer que tinha sido o meu próprio filho que tinha me agredido.

Quando meu irmão viu a situação que eu fiquei, reagiu contra ele, e disse que se ele me batesse de novo, ele iria conversar seriamente com o Fabrício. Só que ele reagiu contra o tio e disse que eu estava tentando afastá-lo do rpg, e que ele não iria tolerar isto, pois o jogo é a coisa mais importante da vida dele.

Sabe, Jehozadak, quando eu li sobre aqueles jovens que não tomam banho e tem hábitos pouco higiênicos, eu lembrei do Fabrício e dei risada, pois parece que você está falando do meu filho.

Criamos os nossos filhos com fortes valores morais, e mesmo não tendo religião, buscamos dar a eles noções de que existe algo superior, e que tão logo eles pudessem decidir pelo que quisessem seguir que o fizessem. Nossa filha mais velha se casou com um rabino e mora em Israel, e os outros não se decidiram no que querem crer.

A opção do Fabrício pelo misticismo não nos incomoda, o que incomoda é o modo com que ele nos trata, o seu fanatismo, e o profundo envolvimento dele com este jogo maldito que esta consumindo a vida dele.

Sinto-me profundamente abalada e humilhada por tudo isto que nos cerca, e tenho a certeza de que um dia terei meu filho de volta, pois hoje a cabeça, e vida e os ideiais dele estão totalmente voltados para demônios, violência, bruxos, feiticeitos, mestres, vampiros e sinceramente tenho medo de que um dia receba alguma noticia ruim envolvendo o Fabrício”.

Recebo às dezenas e-mails como o de Antonia B., falando que seus filhos são agressores contumazes, e que não sabem o que fazer. É complicado aconselhar alguns casos, pois sempre há um agravante na história toda que nunca é revelado. Anos atrás conheci uma mãe que apanhava da filha que na época tinha 14 anos. A mulher já havia se acostumado a apanhar e não reclamar, até o dia que apanhou da caçula que tinha 10 anos. Ela era espancada por motivos fúteis e filhas não estavam nem aí para ela. Uma vez ela levou um chute da filha mais velha no rosto que quebrou o seu maxilar. No hospital os médicos queriam saber o que havia acontecido, e ela não pode esconder a verdade.

O caso foi entregue a uma assistente social e as meninas passaram por uma longa terapia, até que se corrigissem definitivamente. Conversando comigo ela dizia que tardiamente havia descoberto os motivos das surras que levava das suas filhas – ela sentia que havia criado as filhas com desdém e pouco se importava com o bem estar delas.

Mas isto não justifica de modo algum as agressões fisícas e emocionais. Fatos como estes eram raros décadas passadas, mas o dito progresso, a frouxidão com que alguns pais criam seus filhos tornam algumas convivências insuportáveis.

Há ainda a negligência com que alguns filhos são criados, ou aqueles que maltrataram seus pais e agora são maltratados pelos seus filhos.

Alguns até com brutalidade chocante. Lembro de uma história que meus filhos contavam de um colega de classe que batia na mãe diariamente sem qualquer motivo, uma vez que a mãe não podia reagir às agressões.

Como agir em caso de agressão? Exponha o agressor diante das suas amizades, pois muitas vezes eles têm um comportamento diferente nos seus locais de convívio. Foi o que eu recomendei para uma mãe que que escreveu anos atrás. O filho batia nela e na irmã por qualquer motivo. Um dia numa festa ela foi agradada por ele diante de todos e algumas pessoas elogiaram o comportamento dele. Quando ela me perguntou o que fazer eu disse que ela deveria na próxima vez expô-lo publicamente. E foi exatamente o que ela fez.

Na festa de noivado dele, novamente ela foi agradada, e não perdeu a oportunidade. Diante de todos expôs o filho agressor, e contou o seu tormento durante os anos todos. Disse para a futura nora que o que a esperava eram agressões e maus tratos. Um choque para todas as pessoas. Não é preciso dizer que não houve noivado algum, e o filho ficou perplexo com a atitude da sua mãe.

Constrangido ele buscou ajuda e jamais tornou a agredir a mãe e a irmã. Três anos depois no dia do seu casamento, ele discursou e emocionou a todos ao dizer que amava ainda mais a sua mãe e que a atitude de coragem dela diante de todos salvara a vida dele, e que nunca mais ele agiria daquele modo insano e inconsequente.

E foi o que eu recomendei a Antonia B. Que ela e o marido reagissem contra o filho. E foi o que eles fizeram. Quando Fabrício começou a xingá-los, eles botaram ele para correr, quando ele partiu para cima deles. Um spray de pimenta e uma máquina de dar choques intimidaram o covarde. Não satisfeitos eles colocaram fogo no computador, nos livros, nos jogos, nas roupas, tênis e sapatos, além de chamar os parentes para denunciar o agressor, e telefonaram para os pais dos amigos do filho. Além de não deixá-lo entrar em casa por uma semana.

Desamparado pelos amigos jogadores de rpg, humilhado diante de todos e sem possibilidade de agir de outro modo, restou ao ex-valentão pedir perdão ao pai e mãe, e se consertar. O e-mail de Antonia B., é daquele para se guardar a vida toda, e Fabrício certamente aprendeu uma lição da qual jamais vai esquecer. Ela diz ainda que falou para o filho que jamais vai apanhar dele novamente, e que se ele ousar fazer isto ela vai jogar água fervendo na cara dele. É sem dúvida um bom modo de convencimento, e que certamente vai tirar qualquer ímpeto de fúria de Fabrício.

Eu não imaginava que ela fosse tão longe.

Copyright©2005 – todos os direitos reservados ao autor  – dezembro/2005

Jehozadak Pereira

O escritor e jornalista Mário Prata, conta no seu livro Meus homens, minhas mulheres, a história de um casal que se divorciou por causa de um singelo rolo de papel higiênico. Explicando – o marido queria que o papel desenrolasse por baixo, e a mulher por cima. Foram anos mudando o sentido do rolo de papel higiênico. Ele colocava de um jeito e ela de outro. Até que o casamento acabou.

São às vezes pequenas diferenças que fazem com que relacionamentos que deveriam durar uma vida toda se esfacelem em pouco tempo. A estas diferenças se juntam a incompatibilidade de gênios, infidelidade, imaturidade e despreparo, violência, individualismo, ciúmes, opções erradas, falta de diálogo, e até falta de amor.

Muitos casamentos acabam por absoluta falta de amor – muitas vezes se casa por motivos interesseiros e pensa-se estar apaixonado, paixão que acaba quando surgem os primeiros problemas.

No entanto, a grande maioria dos casamentos começa a fracassar num único e importante item – a falta de amizade entre marido e mulher. Muitos ao se casarem o fazem com estranhos, com quem não tem a menor intimidade ou afinidade, e juntos vão tentar partilhar sonhos e ideais. Muitas vezes à vontade de acertar é insuficiente e logo o único caminho é o da separação. Por que a amizade é primordial em qualquer relacionamento? Às vezes não toleramos nada de ninguém, mas de um amigo toleramos e somos tolerados, o que não acontece num casamento. Uma toalha ou sapato deixados fora do lugar pelo marido é motivo de explosão de ira, ou um atraso da mulher no supermercado é o suficiente para desencadear as piores reações.

Descobre-se tardiamente que não há nenhuma comunhão de pensamentos e idéias com quem se casa, e muitas vezes o casamento só acontece por causa da atração sexual que com o tempo acaba e cai-se na perigosa rotina da mesmice.

Logo, o que deveria ser uma convivência pacifica, vai emperrando com o passar do tempo, tornando a convivência difícil e complicada. A estes fatores juntam-se a violência doméstica, o desprezo, a irascibilidade social, a introversão e igualmente a interferência de familiares, como os sogros e cunhados na relação, onde a simples colocação de um rolo de papel higiênico é motivo para desavenças e desunião.

A vida afetiva se desgasta com discussões, as brigas se tornam constantes e a vida fica insuportável. O casal já não se fala mais a não ser o necessário e não há respeito, cumplicidade, amizade. É preciso fazer uma análise e ver o que ainda há em comum, além de morar sob o mesmo teto.

Muitas vezes ambos concluem que nada mais de sadio os une e que não é mais possível melhorar a vida em comum, pois passam o tempo todo brigando ou sonhando com o afastamento, a separação, passa a ser uma opção – talvez a única.

Neste ponto muitas vezes marido e mulher tentam o diálogo que faltou ao longo do relacionamento, buscando muitas vezes algum vislumbre de esperança. Contudo, o que acontece é a evidência de que um abismo separa um do outro, e para muitos é a certeza de que a separação é inevitável. No Brasil, um em cada quatro casamentos é desfeito. Nos Estados Unidos este número é maior – onde para cada dois casamentos, há um divórcio, e após o divórcio os cônjuges tornam-se inimigos mortais, ou deixam de ser ver.

Separar-se de forma saudável, sem que um culpe o outro, manipulações ou preconceitos, não é fácil. A separação é sempre uma experiência desgastante em todos os aspectos.

Com o desgaste natural de um casamento, o desejo de separar-se quase nunca acontece de repente. Para muitos vai ficando claro com o passar dos anos, quando se percebe que não é mais importante para a vida do outro cônjuge.

Neste ponto já não há o desejo de estar juntos, já não mais sonhos em comum e muito menos à vontade de satisfazer os anseios mútuos. Às vezes pode até ser que uma das partes finja ou não perceba, que a outra parte vai dando sinais de desgaste, pois ninguém deixa de amar de uma hora para outra – a decisão da separação pode parecer súbita, porém o desejo já estava latente há muito tempo. O que um consegue ver no outro é só defeitos e mais defeitos.

Muitos homens e mulheres vão se surpreender que a atitude de separação não lhes provoca sofrimento ou constrangimento algum, ao contrário, a sensação de alívio é maior do que se pensa. E em contrapartida, á aqueles que não aceitam a separação de modo algum e sofrem como nunca. Outros se sentem culpados e rejeitados, fazendo com que a perda torne-se dolorosa, pois além de perder fisicamente o outro, perdem muitas vezes o referencial – pode parecer e é paradoxo, ter como referência alguém com quem não se vive harmoniosamente.

Para muitos casais, o casamento é uma prisão da qual eles querem se livrar o mais rápido possível, e para quem um simples problema que poderia ser resolvido no início com uma conversa, torna-se um pesadelo ao longo dos anos.

Invariavelmente uma má relação traz reflexos negativos sobre os filhos. Homens beberrões, espancadores e irresponsáveis que tratam suas mulheres e filhos com violência, e via de regra as marcas psicológicas permanecerão vida afora. Por outro lado, mulheres instáveis trazem sobre suas famílias as mesmas marcas nocivas.

Só quem vive um drama pode dizer a respeito dele, mas, quem sofre invariavelmente com a separação dos pais são os filhos. A sociedade de uns tempos para cá tem sido intolerante e o reflexo é que cada vez mais casais se separam sem ao menos tentar viver uma vida de harmonia e paz.

O refazer a vida é sempre difícil e espinhoso, principalmente quando os cônjuges têm filhos de relacionamentos anteriores, e muitos têm as suas expectativas frustradas na nova tentativa, vivenciando os mesmo problemas anteriores.

O diálogo sempre foi e sempre será a melhor saída para crises – inclusive conjugais.

Todos os direitos reservados ao autor. Copyrigth Jehozadak Pereira

 

Jehozadak Pereira

O escritor e jornalista Mário Prata, conta no seu livro Meus homens, minhas mulheres, a história de um casal que se divorciou por causa de um singelo rolo de papel higiênico. Explicando – o marido queria que o papel desenrolasse por baixo, e a mulher por cima. Foram anos mudando o sentido do rolo de papel higiênico. Ele colocava de um jeito e ela de outro. Até que o casamento acabou.

São às vezes pequenas diferenças que fazem com que relacionamentos que deveriam durar uma vida toda se esfacelem em pouco tempo. A estas diferenças se juntam a incompatibilidade de gênios, infidelidade, imaturidade e despreparo, violência, individualismo, ciúmes, opções erradas, falta de diálogo, e até falta de amor.

Muitos casamentos acabam por absoluta falta de amor – muitas vezes se casa por motivos interesseiros e pensa-se estar apaixonado, paixão que acaba quando surgem os primeiros problemas.

No entanto, a grande maioria dos casamentos começa a fracassar num único e importante item – a falta de amizade entre marido e mulher. Muitos ao se casarem o fazem com estranhos, com quem não tem a menor intimidade ou afinidade, e juntos vão tentar partilhar sonhos e ideais. Muitas vezes à vontade de acertar é insuficiente e logo o único caminho é o da separação. Por que a amizade é primordial em qualquer relacionamento? Às vezes não toleramos nada de ninguém, mas de um amigo toleramos e somos tolerados, o que não acontece num casamento. Uma toalha ou sapato deixados fora do lugar pelo marido é motivo de explosão de ira, ou um atraso da mulher no supermercado é o suficiente para desencadear as piores reações.

Descobre-se tardiamente que não há nenhuma comunhão de pensamentos e idéias com quem se casa, e muitas vezes o casamento só acontece por causa da atração sexual que com o tempo acaba e cai-se na perigosa rotina da mesmice.

Logo, o que deveria ser uma convivência pacifica, vai emperrando com o passar do tempo, tornando a convivência difícil e complicada. A estes fatores juntam-se a violência doméstica, o desprezo, a irascibilidade social, a introversão e igualmente a interferência de familiares, como os sogros e cunhados na relação, onde a simples colocação de um rolo de papel higiênico é motivo para desavenças e desunião.

A vida afetiva se desgasta com discussões, as brigas se tornam constantes e a vida fica insuportável. O casal já não se fala mais a não ser o necessário e não há respeito, cumplicidade, amizade. É preciso fazer uma análise e ver o que ainda há em comum, além de morar sob o mesmo teto.

Muitas vezes ambos concluem que nada mais de sadio os une e que não é mais possível melhorar a vida em comum, pois passam o tempo todo brigando ou sonhando com o afastamento, a separação, passa a ser uma opção – talvez a única.

Neste ponto muitas vezes marido e mulher tentam o diálogo que faltou ao longo do relacionamento, buscando muitas vezes algum vislumbre de esperança. Contudo, o que acontece é a evidência de que um abismo separa um do outro, e para muitos é a certeza de que a separação é inevitável. No Brasil, um em cada quatro casamentos é desfeito. Nos Estados Unidos este número é maior – onde para cada dois casamentos, há um divórcio, e após o divórcio os cônjuges tornam-se inimigos mortais, ou deixam de ser ver.

Separar-se de forma saudável, sem que um culpe o outro, manipulações ou preconceitos, não é fácil. A separação é sempre uma experiência desgastante em todos os aspectos.

Com o desgaste natural de um casamento, o desejo de separar-se quase nunca acontece de repente. Para muitos vai ficando claro com o passar dos anos, quando se percebe que não é mais importante para a vida do outro cônjuge.

Neste ponto já não há o desejo de estar juntos, já não mais sonhos em comum e muito menos à vontade de satisfazer os anseios mútuos. Às vezes pode até ser que uma das partes finja ou não perceba, que a outra parte vai dando sinais de desgaste, pois ninguém deixa de amar de uma hora para outra – a decisão da separação pode parecer súbita, porém o desejo já estava latente há muito tempo. O que um consegue ver no outro é só defeitos e mais defeitos.

Muitos homens e mulheres vão se surpreender que a atitude de separação não lhes provoca sofrimento ou constrangimento algum, ao contrário, a sensação de alívio é maior do que se pensa. E em contrapartida, á aqueles que não aceitam a separação de modo algum e sofrem como nunca. Outros se sentem culpados e rejeitados, fazendo com que a perda torne-se dolorosa, pois além de perder fisicamente o outro, perdem muitas vezes o referencial – pode parecer e é paradoxo, ter como referência alguém com quem não se vive harmoniosamente.

Para muitos casais, o casamento é uma prisão da qual eles querem se livrar o mais rápido possível, e para quem um simples problema que poderia ser resolvido no início com uma conversa, torna-se um pesadelo ao longo dos anos.

Invariavelmente uma má relação traz reflexos negativos sobre os filhos. Homens beberrões, espancadores e irresponsáveis que tratam suas mulheres e filhos com violência, e via de regra as marcas psicológicas permanecerão vida afora. Por outro lado, mulheres instáveis trazem sobre suas famílias as mesmas marcas nocivas.

Só quem vive um drama pode dizer a respeito dele, mas, quem sofre invariavelmente com a separação dos pais são os filhos. A sociedade de uns tempos para cá tem sido intolerante e o reflexo é que cada vez mais casais se separam sem ao menos tentar viver uma vida de harmonia e paz.

O refazer a vida é sempre difícil e espinhoso, principalmente quando os cônjuges têm filhos de relacionamentos anteriores, e muitos têm as suas expectativas frustradas na nova tentativa, vivenciando os mesmo problemas anteriores.

O diálogo sempre foi e sempre será a melhor saída para crises – inclusive conjugais.

Todos os direitos reservados ao autor. Copyrigth Jehozadak Pereira

Jehozadak Pereira

Não bata. Discipline.

Não acostume a criança com gritos. Fale com voz audível.

Mostre para a criança quem manda de fato. Você.

Não corrija a criança com beliscões, puxões de orelha ou safanões.

Não bata na cara da criança, isto faz com que ela se sinta humilhada.

Se a criança errou, tire privilégios dela.

Nunca corrija a criança fisicamente, na hora da raiva. Você pode se exceder.

Não aceite interferências na educação dos seus filhos.

Se prometeu castigar a criança, faça.

Converse bastante com seu filho.

Ambos vão ganhar com isto.

Seja o melhor amigo ou amiga do seu filho

Ame seus filhos. Você só tem a ganhar com isto.

A negligência é o pior crime que uma criança pode sofrer.

Todos os direitos reservados ao autor

Jehozadak Pereira

Tempos atrás eu recebi um e-mail de uma mãe desesperada. Ela pedia conselhos de como tratar a sua filha adolescente – rebelde, segundo ela – que certo dia ameaçou pular da sacada do prédio onde elas moravam.

Respondi-lhe, dizendo que queria saber o histórico de vida das duas, relacionamento de mãe e filha, etc. A resposta veio rapidamente. A mulher era separada do marido, havia se convertido há pouco mais de três anos, e queria por força que a filha também se convertesse. Com a menina se recusasse, a mulher não a deixava sair com freqüência – ou ia para a igreja ou ficava em casa.

A mulher era conselheira e orientadora de um grupo de jovens na igreja três vezes por semana, inclusive aos sábados à tarde, e ela deixava a filha trancada dentro de casa para orientar jovens em crise.

Um dia chamaram-na ao telefone e ela quase desmaiou de susto – a sua filha estava sentada na varanda pronta para pular no vazio. Correria, gritos e desespero, e finalmente depois de algumas horas a menina voltou para dentro do apartamento, e ela lendo um dos artigos que eu havia escrito pedia orientação de como proceder com a educação de filhos, resolveu escrever-me pedindo ajuda. Aconselhei-a que deixasse o grupo de jovens e se dedicasse somente a sua filha, desse atenção diuturnamente, que se tornasse amiga da sua filha e que não a forçasse a se converter, que orasse e mostrasse o quanto sua filha era importante para ela.

Meses depois recebi um outro e-mail, dizendo que a menina havia se batizado, e que ambas trabalhavam juntas aconselhando outros jovens a encontrar a paz e a amizade com seus familiares.

Pensem que uma multidão de crianças, jovens e adolescentes como a menina, “gritam” pedindo por atenção e carinho, para ser ouvidos e atendidos nas suas necessidades emocionais básicas. Por outro lado, há pais que são relapsos e omissos, que não dão atenção devida aos seus filhos. Certa vez eu ouvi uma história interessante de um pastor. Ele foi visitar uma família da sua igreja, e lá chegando o pai todo orgulhoso exibia o novo brinquedo que ele havia comprado para o pequeno filho. Só que o menino estava mais interessado na caixa do que no brinquedo propriamente dito.

O pai dispusera de uma pequena fortuna para comprar aquele brinquedo, e o garoto gostava mais da caixa. É um engano pensar que carinho, atenção, educação, disciplina, companheirismo, amizade pode ser suprida com presentes.

Um determinado pai, diretor executivo de uma multinacional estrangeira no Brasil, estava indo para uma reunião com seus subordinados, e recebeu o recado de que seu filho havia ligado e precisava falar com urgência. Como estava atrasado para a reunião, decidiu não retornar a ligação. Mais tarde descobriu que o filho havia caído da bicicleta e se ferido gravemente, precisando da ajuda de vizinhos para ir ao hospital.

Chocado, o pai viu o tamanho do erro cometido – havia negligenciado auxílio ao filho, em detrimento dos seus negócios. Como este são muitos os pais que negligenciam seus filhos, tornando-os assuntos secundários, quando deveriam ser prioridade nas suas vidas.

Tenho a certeza de que com você isto não acontece. Não é mesmo?

Todos os direitos reservados ao autor – fevereiro/2004


Categories

Estatísticas do blog

  • 173,217 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: