Jehozadak Pereira.com

Posts Tagged ‘São Paulo

Jehozadak Pereira

Uma pergunta que não quer calar tem ecoado nas últimas semanas nas ruas, esquinas e lares brasileiros – o que está acontecendo com o PT? Por que o partido aguerrido, romântico e até certo ponto ingênuo – por achar que podia consertar o mundo – enveredou pelo caminho da corrupção e das coisas escamoteadas.

Quando foi fundado há 32 anos no rastro das greves do ABC paulista em plena ditadura militar o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, realizava as suas assembléias onde o principal orador era um pernambucano aguerrido que atendia pelo apelido de Lula. Quando ele discursava a platéia entrava em transe numa catarse coletiva jamais vista na história do sindicalismo brasileiro.

Lula falava a língua do peão que trabalhava no chão das fábricas, produziam a riqueza e ficavam com uma parte minguada que eram os seus salários. Com coragem e destemor Lula e seus companheiros convocavam greves gerais em frontal desafio aos militares. Logo a idéia de fundar um partido político sem o ranço e os costumes de outros partidos foi tomando corpo e criou-se o Partido dos Trabalhadores, que reunia sindicalistas como o próprio Lula, Jacó Bittar, Vicentinho, Jair Meneguelli com intelectuais como Plínio de Arruda Sampaio, Florestam Fernandes, Marilena Chauí, que compunham com outros a nata do pensamento intelectual no Brasil. Universitários como José Dirceu, ativistas como Fernando Gabeira, a atriz Bete Mendes; o aristocrata Eduardo Suplicy foram alguns dos petistas de primeira hora.

Logo o Partido dos Trabalhadores se organizava e disputava eleições e não demorou para que os primeiros vereadores e prefeitos fossem eleitos – o primeiro prefeito eleito pelo PT foi Gilson Menezes em Diadema, São Paulo. As câmaras estaduais e federal recebiam os primeiros parlamentares eleitos pelo Partido dos Trabalhadores que não parou mais de crescer. Lula disputou eleições para o governo paulista e perdeu, sendo eleito deputado – dos mais votados – para a constituinte, mandato para o qual não quis se reeleger, preferindo percorrer o Brasil e implantar uma nova consciência política, o que em parte alcançou êxito.

A figura maior do partido sempre foi Lula, que alcançou o status de ícone e líder inconteste pela sua trajetória e história, sendo respeitado no exterior e pelos seus adversários. Ao se candidatar a presidente da república foi derrotado por Fernando Collor – num dos episódios mais vergonhosos de manipulação; primeiro Lula foi acusado de não desejar o nascimento de sua filha Lurian, depois a edição tendenciosa do debate com Collor, onde Lula aparecia como derrotado – e duas vezes vencido por Fernando Henrique Cardoso. Qualquer um teria desistido. No entanto, a militância empurrou Lula adiante e o que se viu foi sempre um partido que primava pela ética, pela moralidade, pela transparência e que conferia tudo em cima. Quem não se lembra do procurador Luiz Francisco de Souza – ligado ao PT – atormentando as autoridades com processos e mais processos?

Impeachment de Collor? O PT supriu a CPI com documentos hábeis que contribuíram para a derrocada do governo que permitiu uma das maiores roubalheiras de todos os tempos. O PT foi à pedra no sapato dos oito anos de governo tucano, expondo as vísceras de qualquer coisa que parecesse suspeito. O PT tinha respostas e soluções – e sempre vendeu a idéia – para todos os problemas e dificuldades do povo brasileiro. Até o dia em que virou governo e teve que fazer o que sempre abominou – compor com as forças do atraso, como eles diziam – para poder governar. Ao se aliar a políticos cuja única preocupação é o proveito próprio, o PT loteou a administração pública e o que se viu foi o caos absoluto.

Para governar, Lula vendeu a si e o PT na bacia das almas e optou por praticar aquilo que sempre abominou e hoje é julgado no Supremo Tribunal Federal no maior caso de corrupção da história republicana e política do Brasil. Joaquim Barbosa e seus pares estão deslindando as falcatruas petistas. A sensação que fica é que o PT definitivamente não precisava passar por isto. Não mesmo!

 

Advertisements

Jehozadak Pereira

Vejam como são as coisas na pretensa esquerda brasileira. Yoani Sánchez, a blogueira cubana do Generacion Y conseguiu visto para ir ao Brasil e agora vai batalhar para que o tiranico governo cubano lhe dê permissão para viajar. Conhecida por publicar textos que expõem as agruras e dificuldades do seu povo, Yoani é perseguida pela polícia e política estatal que a censura constantemente.

Sobre o assunto nenhum piado do PT.

Claro e óbvio que não vão abrir a boca, pois isto não lhes interessa. Seja o governador Tarso Genro ou o senador Eduardo Suplicy que foi um dos que foram fazer festa para o Cesare Batistti na penitenciária da Papuda quando este obteve a permissão de ficar em solo brasileiro, para vergonha nossa diante do mundo.

Outro dia mesmo, Tarso Genro esculhambou o governo italiano e parte da imprensa do Rio de Janeiro e de São Paulo que segundo ele estavam em conluio para ‘massacrar’ o seu queridinho Batistti. Uma vergonha para o povo brasileiro, para os gaúchos e para a clase política ter um idiota destes versando sobre o que não sabe.

Talvez ao falar de governo corrupto, mafioso e indigno, esteja falando do governo petista que como se sabe é de longe o que mais escândalos protagonizou na política brasileira nas últimas décadas. Só para ficar com um só, deve-se citar o famoso caso do Mensalão que era comandado por eminentes figuras petistas. No entanto, Tarso arvora-se na defesa de um terrorista e assassino que para ele é a utopia esquerdista, mesmo que todas as evidências apontem como culpado nos crimes dos quais é acusado. Aliás, deveríamos todos os dias esfregar na cara do PT os seus escândalos e mazelas para lembrar-lhes o quanto roubam e corrompem.

Já com Yoani, nenhuma palavra. Silêncio total. E não será de se espantar se um dia soubermos que houve pressão para que não fosse concedido o visto para a blogueira.

Talvez não digam nada para não desagradar seus patrões cubanos que lhes suprem de rum e charutos o ano inteiro.

Estes episódios mostram o quanto determinados políticos são dispensáveis e o quanto estão dissociados da realidade e das circunstâncias pelas quais passa o povo cubano e em especial aqueles que como Yoani ousam enfrentar as barreiras oficiais impostas para comunicar ao mundo o que se passa por lá.

É claro e óbvio que se Yoani for ao Brasil será ignorada pelos cretinos petistas de qualquer escalão, mas quem escreve e lê há de saudá-la como a verdadeira guerreira que é e pelo que ousa fazer para comunicar ao mundo sua esperança de que um dia os ditadores se vão, talvez embora para o Brasil viver sob a tutela de Tarso Genro e  seus camaradas…

Jehozadak Pereira

Escrevi este texto em 2005 e decidi publicá-lo novamente sem alterações pois é atual e desde então a situação piorou bastante. Sempre haverá um cretino e imbecil disposto a discriminar alguém por causa da sua opção pessoal, cor, credo religioso ou ideologia política. Acabei de ler uma reportagem onde um delegado de polícia diz que o neonazismo jamais vai ser extirpado da sociedade. Este é um legado maldito que um homem cruel, insano e diabólico deixou pra a humanidade e o pior é que apesar de haver tanto esclarecimento nos nossos dias, milhões de idiotas imbecilizados pelo preconceito e arrogância fazem disto um modo de vida. Muito triste.  

 

De tempos em tempos uma nova onda de uma velha prática se abate sobre o mundo. O racismo nos últimos anos tem provocado reações indignadas na sociedade e raramente algum ato de preconceito dá em alguma coisa.

Semanas atrás num jogo do Barcelona contra o Zaragoza pelo campeonato espanhol, o camaronês Samuel Eto’o – o melhor jogador africano no ano passado – foi alvo – novamente – de atitudes racistas, e só não abandonou o campo porque foi contido pelos seus companheiros e pelo árbitro da partida.

Para irritar Eto’o, a torcida adversária imitava macacos com gritos e gestos, e o racismo não acontece somente em campos espanhóis, mas em quase toda a Europa. Na Itália, o centroavante Paolo Di Canio, da Lázio de Roma, já foi multado duas vezes e suspenso por dois jogos por gestos racistas. Di Canio, que na juventude fazia parte de grupos radicais, é tido como um ídolo da torcida da Lázio que costuma ser saudada por Di Canio com o tristemente célebre gesto nazista do braço esticado.

Aliás, é na Itália, onde mais se vê a presença de neo-nazistas nos estádios portando bandeiras e símbolos do nazismo, além de portarem também símbolos do fascismo de Mussolini.

A sociedade está permeada de gestos racistas, como na novela Belissíma, onde Fladson, o filho da Dona Tosca se enamora de Dagmar, uma negra bonita e desembaraçada. Tosca não concorda com o namoro e faz questão de pedir para N. Senhora da Candelária levar Dagmar para bem longe de Fladson. Num capítulo recente para demonstrar insatisfação com Dagmar, Tosca, passa dois dedos sobre um dos seus braços, para indicar que o problema é de pele.

E foi este gesto que Antonio Carlos, zagueiro do Juventude do Rio Grande do Sul, com passagens por grandes clubes do futebol brasileiro como São Paulo, Palmeiras e Corinthians destratou Jeovânio, volante do Grêmio. O caso teve uma repercussão inesperada e Antonio Carlos foi suspenso por dois meses pela sua atitude.

Foi por causa do racismo que Ghandi se tornou um pacifista, Martim Luther King, um ativista e Rosa Parks um símbolo, e ao invés de diminuir, o que se vê ao longo dos anos é um aumento de atitudes e atos preconceituosos e discriminatórios.

Aqui nos Estados Unidos é comum ver nas ruas manifestações explicitas de racismo e intolerância. Certa feita, Carlos Tércio, um paulistano branco e de olhos verdes, foi preso por estar andando no carro com o seu patrão sem o cinto de segurança. O oficial da State Police que o prendeu mandou que ele tomasse cuidado para não sujar o carro dele que estava limpo. Como sujar o carro se ele não estava com roupas ou sapatos sujos. Na terceira vez que o policial falou isto, ele se deu conta de que ele era a sujeira da qual falava o oficial de polícia, que o ironizava o tempo todo.

Ao pagar a fiança para ser solto, ele perguntou ao policial qual era a razão de ele ter dito aquilo. Escória, foi a resposta para ele, que resolveu não levar adiante uma queixa contra o oficial, que ele descobriu ser descendentes de irlandeses, logo, um imigrante como ele. Conversando com amigos, Carlos descobriu que aquele oficial era famoso nas artes do preconceito, do racismo e da intolerância, e que não perdoava qualquer estrangeiro ou negro que lhe caísse nas mãos. Algumas vezes reclamaram contra ele, mas nunca ninguém provou nada.

Muitas vezes o racismo e o preconceito vem de forma velada, escamoteada, indireta e sempre é negada quando confrontada, e pega desprevenido suas vítimas. Alguns choram, outros reagem e se insurgem contra, mas a maioria deixa barato e por isso mesmo.

Pode-se e deve-se esperar que o racismo e o preconceito tome ares insuportáveis nos próximos anos e torne difícil a vida de muita gente, principalmente os negros. Por mais que as autoridades se esforcem para coibir os abusos eles vão continuar existindo sempre, seja nos estádios de futebol, seja nas novelas, e principalmente no cotidiano de uma multidão de pessoas. Infelizmente.

Jehozadak Pereira

Com – muita – justiça o Santos bateu o Peñarol e conquistou a Copa Libertadores 2011. Como sempre Neymar brilhou e decidiu o jogo no momento certo e tanto o seu passe quanto o de Paulo Henrique Ganso passam a valer o dobro a partir de agora. Outro justiçado foi o técnico Muricy Ramalho que perseguiu a Libertadores no São Paulo e não conseguiu ser campeão no Morumbi. Agora é trabalhar para segurar Neymar e Ganso para a disputa do Mundial de Clubes onde se tudo correr como se deve, vai enfrentar o temível Barcelona de Messi na final. O Santos vai precisar se reforçar sobretudo para ter opções no banco de reservas e a partir de agora é desfrutar da conquista que consagra a geração de Neymar e Paulo Henrique Ganso.

Jehozadak Pereira

Há alguns anos fui editor da Refletir Magazine em Boston e tive o privilégio de entrevistar algumas personalidades e dentre elas tenho publicado o resultados destas entrevistas. Uma destas personalidades é Jaime Kemp, considerado a maior autoridade em aconselhamento conjugal e familiar na igreja evangélica brasileira. Divertido, espontâneo, sério e contundente Jaime Kemp não deixou nenhuma pergunta sem resposta. Confira a sua entrevista, que como disse foi publicada originariamente no http://www.refletir.com.

 

Jaime Kemp é um apaixonado pelo Brasil desde os dez anos de idade. Um dia na escola – na California – a professora pediu uma redação sobre países do mundo, e para ele caiu o Brasil, começou ali uma relação que já dura 40 anos. Autor de mais de cinquenta e quatro livros – todos eles sobre família, que é a sua especialidade, o que o torna a maior autoridade sobre o assunto no Brasil. O mais vendido dos seus livros é Eu Amo Você. De passagem por Massachusetts, onde veio ministrar um seminário para casais, concedeu entrevista exclusiva a Paulo DeOliveira e Jehozadak Pereira, publisher e editor de Refletir Magazine.

Quais são as maiores problemas que a família enfrenta hoje, especialmente a brasileira?

Penso que é dinheiro. A situação economica, pois muitos pais não conseguem sustentar suas famílias e dar aos seus filhos boas escolas; também não conseguem dar comida, e por isso a mulher tem que trabalhar fora, deixando as crianças aos cuidados de uma babá ou com a empregada, ou numa creche. Com isto, os filhos dos brasileiros que trabalham em tempo integral, são criados por estranhos. Há também o problema de infidelidade, que é muito sério. Antigamente, quando eu cheguei no Brasil, havia um número bem menor de mulheres que trabalhavam fora, com isto as mulheres passaram a enfrentar as mesmas tentações que os homens enfrentam nos seus empregos, viagens. A infidelidade feminina cresceu muito nos últimos 20, 30 anos, o que se tornou um dos problemas. Há ainda o problema da comunicação. Os nossos casais não estão sendo preparados e não tem uma boa comunicação a começar nos seus namoros, e acham que o casamento vai resolver todos os seus problemas, quando na realidade, vai piorar. Os nossos casais não desenvolvem os princípios de comunicação, que é saber ouvir, saber falar, responder corretamente etc. As pessoas se casam e não tem nenhuma idéia de como resolver os conflitos. Na maioria dos casos não fizeram o curso pré-nupcial nem por uma hora sequer. Enquanto eles fazem planos para lua de mel, roupa, festa, flores, não gastam tempo nenhum para aprender a viver debaixo do mesmo teto. Duas pessoas – um pecador e uma pecadora – debaixo do mesmo teto, pode provocar uma guerra – risos. Atrás disto, existe algumas filosofias que estão bombardeando a família. Uma delas é o humanismo que diz que Deus não está mais no trono, que é ocupado pelo homem, que diz ainda que se a mulher não o satisfaz ele a troca por outra mulher, porque ele se julga importante. Tem o materialismo, que faz com que o homem só pende e corra atrás do dinheiro, e valores que acabam se tornando o foco principal na vida do casal. Por causa disto, valores como relacionamento dentro do lar, harmonia, tempo gasto com filhos, acabam relegados a um segundo plano.

O que mais?

Tem o relativismo. Outro dia eu ministrava um seminário para jovens numa cidade no interior – o que me assustou; eu falava sobre sexo pré-nupcial e um casal chegou para mim e perguntou com que direito eu falava sobre isto. Diziam que podiam transar a vontade antes de casar. Diziam que era a minha opinião, ao que eu retruquei que a opinião é a de Deus, o criador e o arquiteto do lar. Este relativismo, que é a sua opinião contra a minha, que diz que todos os caminhos levam a Deus, o que temos que combater. Estas filosofias – edonismo, materialismo, humanismo, estão mudando a cabeça do povo brasileiro.

Um fenômeno tem acontecido entre os jovens que é a depressão. O senhor crê que o fator familiar é a causa disto?

Vários artigos das revistas Time e Newsweek constataram o problema seríssimo de crianças, jovens e adolescentes profundamente deprimidos ao ponto de uma das razões de haver muitos suicídios ser a depressão. Isto vem por que? Famílias desustruturadas, pais muito rigídos que exigem bons desempenhos acadêmicos dos seus filhos; sentem que não são amados, e que tem que agradar seus pais.

O senhor crê que a separação dos pais pode levar os filhos a depressão?

Sim, minha esposa escreveu um livro sobre depressão, porque ela passou por um processo de depressão; a igreja não aceita que uma pessoa convertida possa ter depressão. A depressão é uma doença como qualquer outra.

O senhor crê que a igreja brasileira não está preparada para lidar com o assunto?

Sim. É preciso tomar cuidado, pois não quero criticar, mas há uma cultura do triunfalismo e de vitória crescente. Tudo é vitória. As vezes as nossas lideranças não estão sendo muito honestas, não estão abrindo os seus corações para falar das suas próprias derrotas. Para eles está todo mundo vencendo e em vitória, o que faz com que muitos escondam os seus problemas. Além de ter também a questão da prosperidade.

A questão do homossexualismo nas novelas e na mídia. Até que ponto influenciam a família?

Nós estamos assustado com o crescimento e a aceitação do homossexualismo no Brasil. Está se tornando cada vez mais uma opção e alternativa de vida. Por três anos seguidos, quando a Marta Suplicy era prefeita de São Paulo, ela apoiava as marchas e as paradas de gays e lébicas, e isto vai impactando a mente e o coração do povo. O que mais me preocupa nisto tudo é a redefinição da família. Tradicionalmente, inclusive os católicos, acreditamos e aceitamos que a família é composta de marido e pai, esposa e mãe, e os filhos. Hoje não. Redefinindo a família seria ter dois homossexuais que através de uma adoção vão ter filhos, ou ainda duas lésbicas que vão fazer uma inseminação artificial para ter filhos; não tem pai, não precisa ter pai etc. Esta redefinição da família é uma alternativa mais nova no Brasil. Quando a Marta Suplicy era deputada federal, fez uma proposta indecente, que permitia o casamento de homossexuais, proposta que não passou, por causa de uma igreja em Goiânia que montou um manifesto com milhares de assinaturas que foram levadas para Brasília e criou um alvoroço que não permitiu que a lei fosse aprovada. Eu diria que o homossexualismo está cada vez mais sendo aceito, e o problema maior é sem dúvida a redifinição da família. Por outro lado, a igreja brasileira não está preparada a lidar com o problema. A grande maioria não sabe aconselhar o homossexual, mesmo que ele queria se livrar, não há orientação sadia, e há poucos lugares onde um rapaz ou uma moça poderia receber terapia espiritual, emocional para abandonar o homossexualismo. Eu creio que aos poucos a igreja vai ter que lidar com isto. Não vai aceitar, porque isto nunca vai acontecer, de a igreja aceitar o homossexualismo como alternativa de vida.

O aborto é um problema no Brasil hoje?

Jaime Kemp Infelizmente a igreja brasileira está dormindo com relação ao assunto. Eu creio ter o único livro cristão escrito sobre o aborto. O Jornal do Brasil, constatou através de uma pesquisa que no minímo cinco milhões de crianças estão sendo abortadas por ano no Brasil. É um problema imenso. Nós não cremos que o embrião no útero é uma criança, e por isso é que se aborta tanto. O aborto é um ato fisíco e um ato emocional, que a mulher nunca consegue superar totalmente na sua vida, pois as implicações psicológicas são imensas. A igreja brasileira sabe e não toca no assunto, eu nunca vi um brasileiro pregar sobre o assunto.

A corrupção influencia na família?

A corrupção sempre foi um problema no Brasil. Penso que se nossa liderança fosse disciplinada e ensinada nos caminhos do Senhor desde pequenos não teríamos o quadro que vemos hoje. O pai é um modelo positivo ou negativo, então o filho ao crescer observa uma corrupção para lá e para cá, e vai aprendendo a ser corrupto dentro da sua própria casa. É claro que se ele entrar na política sem o princípio de honestidade e integridade haverá muitas oportunidades de roubar muito dinheiro. Pai e mãe precisam ser gente integra e honesta nas coisas pequenas também, a começar dentro de casa.

Jehozadak Pereira

Fechadas as urnas e encerrada a apuração o Brasil vai ter pela primeira vez na sua história uma mulher presidente. Ao contrário de quando Lula foi eleito não se viu ou se notou o grande entusiasmo que a eleição do operário, líder sindical, e um dos maiores nomes da história política brasileira em todos os tempos provocou. Lula é carismático e dono de uma personalidade que é capaz de incendiar uma multidão somente contando a sua história e trajetória de vida.

Ao ascender ao governo, Lula levou junto de si companheiros de luta e de agruras, de ideologia e tendências de esquerda que sem dúvida alguma deram um novo viés à política brasileira. As conquistas sociais deste grupo foram notáveis e como gosta de dizer Lula, nunca na história do Brasil tantos puderam progredir. Também é notório que nunca na história da república brasileira tantos escândalos se sucederam bem debaixo das barbas do presidente, quando não na sua antesala sem que ele se desse conta, ou pelo menos foi o que sempre disse.

Há também as alianças no mínimo estranhas que o PT fez para governar com nomes manjados na política brasileira, bem ao contrário de tudo o que havia pregado anteriormente, deixando evidente que o discurso era um, mas a prática totalmente diferente e o partido ético e coerente com as suas ideias e ideais deu lugar a alianças estranhas e comprometidas com o loteamento de cargos e funções. O PT se juntou com quem ferozmente combatia no passado.

Se por um lado Lula foi o pai dos pobres, por outro foi alcoviteiro de ladrões e corruptos e a prova disto é que grandes quadros do PT foram ficando pelo caminho, a exemplo de José Dirceu, Luiz Gushiken, Delúbio Soares, Antonio Palocci – nem sempre por causa de dinheiro, mas de escândalos e acobertamentos diversos.

Não há dúvida alguma que se estes nomes acima não tivessem sido prejudicados por problemas, é certo que pelo menos Dirceu e Palocci se credenciariam à presidência como ungidos de Lula.

Com estes fora, restou a Lula apostar as suas fichas em Dilma Rousseff que de ilustre e ranzinza desconhecida se tornou uma celebridade e se credenciou para disputar a presidência da república. A campanha de Dilma enfrentou problemas variados. Um deles foi a falta de carisma, as limitações de quem amais havia subido num palanque para fazer campanha anteriormente e também pelo seu problema de saúde.

Colocou-se então em curso uma campanha publicitária para eleger Dilma que era um produto cujo destino era conquistar o mercado, ou o eleitor indeciso e os que queriam dar continuidade ao que Lula fez em oito anos. A política brasileira é pródiga em eleger produtos de marketing e um exemplo disto é Fernando Collor de Mello que se impôs comoi solução e acabou em retumbante fracasso. Outro exemplo é Celso Pitta, criação de Paulo Maluf que foi eleito prefeito de São Paulo e governou em meio a escândalos e terminou a vida enrolado em problemas.

Depois do susto no primeiro turno, a estratégia foi retomada e Dilma eleita. Resta saber como a nova presidente vai se comportar, principalmente com os radicais do partido que querem endurecer diversas relações, inclusive com o controle da imprensa a quem acusam de perseguir o partido. Lula sempre soube se impor e fazer valer a sua opinião ante as diversas tendências que o PT abriga e por isso governou em paz e com relativa paz nos bastidores. E com Dilma como vai ser? Ela tem tudo para fazer a diferença tal como Lula e alguns dos seus antecessores fizeram, ou então se deixar dominar pelos meandros nem sempre claros e honestos da política e dos seus bastidores. Dilma vai ter que se cercar de gente competente e honesta que pense primeiro no Brasil e não no PT e nas suas alianças.

Só o tempo vai dizer se ela foi uma presidente inesquecível como Lula ou uma presidente a ser esquecida como Collor. Tomara que seja a primeira hipótese…

 

Jehozadak Pereira

Tem umas horas que a gente precisa costurar a boca para não dar tanta risada de uma vez só. Uma destas oportunidades é ver o São Paulo tomar uma senhora cacetada e sem poder reclamar que foi roubado ou coisas que só eles costumam ver.

Salve o Palestra Itália de Belo Horizonte!


Categories

Estatísticas do blog

  • 173,816 hits

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 846 other followers

Twitter Updates

%d bloggers like this: